Casa dos Contos Eróticos » Sexo a três » Transei com minha namorada e amiga dela

Transei com minha namorada e amiga dela

0 votes

Eu sou Artur(*) e essa história é de 5 anos atrás, quando eu só tinha 18 anos. Na época era alto e magro com um pau de uns 15 cm…

Na época eu tinha uma namorada chamada Joaquina(*), estamos juntos até hoje, e éramos de ir muito na igreja juntos, foi la que conhecemos Jamile(*) que era assumidamente lésbica.

Era dia 6 de março e o irmão mais novo dela  e ela chamou eu e minha namorada para fazer companhia, afinal, se nós não tivéssemos ido ela ficaria sozinha no meio dos amigos dele.

Ficamos conversando a festa inteira e minha namorada acabou ficando por lá para dormir e eu fui para minha casa.

Pouco depois de chegar em casa fui conversas com as duas via ligação do WhatsApp (isso era umas 8 da noite) ficamos falando até umas 10 da noite pois elas saíram para comer. Quando elas voltaram, eu e Jamile começamos via mensagem a falar sobre como a Joaquina é gostosa(cabelos cacheados, bunda grande e empinada com seios médios) e levando tudo na brincadeira criamos um grupo entre nós 3, dizendo pra Joaquina que íamos dividir ela e que ela ia ser nossa mulher, ela chamou a gente de besta mas entrou na onda pouco depois.

Na época a Joaquina era muito certinha e mantinha a safadeza dentro dela mesma, contudo naquele dia ela mostrou a puta que ela realmente é.

Sexo com minha namorada e sua amiga lésbica

A gente começou a zuar com ela, dizendo que dentro dela tinha uma vagabunda e que naquela madrugada eu ia sair escondido lá pelas 3 da manhã e junto com a Jamile ia comer gostoso o cuzinho dela… Nisso ela começou a dizer que ia preparar a camisinha e que seria nossa putinha, fingimos sexo por mensagem e ela foi tomar banho(leia-se se masturbar, estava corada e com os biquinhos durinhos segundo a Jamile), no banheiro ela ficou peladinha e mandou uma foto censurando as partes íntimas pra provocar-nos.

Quando ela saiu eu e a Jamile já tínhamos gozado nos masturbando e acabamos com a conversa e com o grupo por ali(porém, quando elas foram dormir mandaram-me um vídeo trocando carinhos).

No dia 13 nós marcamos de irmos na casa da Jamile (sem malícia) pois os pais dela não estariam.

Não ouve outra conversa naquele grupo em relação a putaria.

Quando chegamos na casa da Jamile resolvemos brincar de verdade ou desafio e ficamos fazendo desafios leves até umas 11 da noite, mas ai a coisa esquentou, começamos a desafiar tirar peças de roupa e quem ficasse sem nada primeiro iria fazer stripp do outro lado da rua no poste que ali tinha.

A Jamile ficou pelada primeiro e foi fazer o combinado, mesmo sendo lésbica o meu tesão foi a mil. Eu comecei a bulinar a Joaquina que estava semi-nua e ela retribuía pegando no meu pau(estava virando uma completa vadia) nisso continuamos a brincadeira, porém só com perguntas do tipo: Quantas vezes você se masturba?

A resposta da Joaquina foi 2 vezes ao dia, mas que ela só tinha começado após aquela conversa no whats.

Eu e a Jamile nos olhamos e partimos pra cima da nossa presa que tentou lutar, ela não queria ir além daquilo porém após algum tempo ela desistiu e deixou a gente rasgar o resto de roupa dela.

Mandamos ela chamar-nos de meu dono (minha dona no caso da Jamile).

Eu a posicionei de 4 na frente do sofá e enquanto ela chupava a buceta da Jamile e eu comia a dela.

Eu e a Jamile xingavamos ela e ela dizia pra meter, se auto intitulando vagabundo cadela louca por sexo.

Ficamos assim uns 30 minutos até que ambas gozaram pela segunda vez e cairam, mas eu ainda não tinha gozado, devido a isso pedi pra Jamile preparar o cuzinho da Joaquina, pois ela seria arrombada e assim a Jamile fez, ela pediu misericórdia mas eu enfiei de uma vez no cuzinho virgem dela, ela gritou muito e vendo isso eu fiquei parado la dentro pra ela se habituar… Depois de um tempo ela mesma rebolou, acho que começou a senti prazer e assim eu gozei, ela caiu totalmente exausta…

Fomos os 3 muito satisfeitos pra cama.

Na manhã do outro dia transamos novamente e fizemos a Joaquina ir com a buceta derramando porra e sem calcinha pra casa dela.

A gente ainda transa muito assim, saímos da igreja e hoje a Joaquina é uma verdadeira vadia, anda sem calcinha e com shorts colados se deixa ser enrabada por qualquer um e quando vai na casa da Jamile(que alias é sua vizinha, umas 2 quadras de distância) vai com um shorts sempre minúsculo e sem camisa, só de sutiã.

(*) Nome fictício para preservar a identidade.

Contos de Sexo Relacionados

Deixe seu comentário