Casa dos Contos Eróticos » Porno Gay » Fiz meu chefe virar putinha: Punheta Gay

Fiz meu chefe virar putinha: Punheta Gay

0 votes

Meu nome é Galego tenho 1,80, 23 anos, moreno claro, sarado. Curto muito academia. E por ter uma boa presença e lábia resolvi trabalhar como representante comercial.

Meu chefe e supervisor é o Senhor Orlando. Um cara tranquilo. 40 anos. Casado 2 filhos. Religioso.

Logo de cara a gente se deu bem. Acho que ele viu em mim o que não viveu na sua juventude.

Vivia me perguntado de baladas e mulherada. Eu percebia que ele se excitava com isso. Mas não realizava pois tinha uma imagem a zelar.

Tínhamos que viajar para visitar alguns clientes importantes e quem sabe trazer pedidos.

No meio do caminho tinha um desvio. A estrada estava mau sinalizada e quando percebemos já era noite e estávamos completamente perdidos.

Cansados, suados e com fome. Imaginando que teríamos que dormir dentro do carro até que amanhecesse o dia e pudéssemos ligar pra alguém pra nos socorrer.

Nisso vemos ao longe um motelzinho beira de estrada.

Mesmo sendo constrangedor 2 homens pedindo um quarto era melhor do que passar fome e dormir no carro.

Chegamos na portaria Orlando colocou óculos escuros e tentou se esconder ao máximo pedindo um quarto.

A atitude dele lançava mais suspeitas sobre a gente.

Eu de boa sempre brincalhão. Enquanto ele passava os documentos comecei a acariciar seus cabelos.

Ele ficou puto e com mais vergonha ainda. Eu e a atendente começamos a rir.

Entramos no quarto pedimos 2 pratos executivos. Eu pedi umas 4 garrafas de cerveja e ele pediu um suco.

Enquanto desfazia as malas. Eu fui direto pro chuveiro. Poxa como um banho renova a gente.

Me enxuguei e sai nu do banheiro.

Orlando achou ruim. Tá pensando que aqui é clube de nudismo rapaz. Coloca alguma coisa.

Eu dei risada. Relaxa. tá muito calor. Mesmo assim envolvi a toalha na minha cintura. Mas pra provocar deixei a fenda bem a frente. E conforme eu me movimentava meu pau e bolas apareciam.

Orlando ficava com vergonha e puto. Falava que eu não tinha jeito. Que era muito irreverente por ser novo.

Orlando foi tomar seu banho. Eu deitei na cama de casal. Coloquei num belo filme pornô de swing e comecei a me acariciar.

Orlando saiu do banheiro vestindo um pijaminha listrado.

Ao me ver com o circo armado. Acariciando meu mastro e olhando a tv ele ficou puto.

Porra meu. Vc não tem respeito. Segura a onda ai. Vamos dividir a mesma cama.

Eu apenas ria e antes que a gente iniciasse mais uma discussão. Nosso jantar chega.

O jantar foi tranquilo. Mas eu percebia que Orlando não parava de me olhar.

Eu acho que ele estava gostando. E eu estava gostando de provocar ele.

Pega uma cerveja ai cara. É muita pra mim. E tá calor.

Ele responde: – Não sou muito de beber. Minha esposa não gosta.

Mas ela não está aqui Orlando. Digo isso e dou a cerveja pra ele.

Ele bebe. Um golinho só, não faz mau. ele argumenta

Depois do jantar voltamos pra cama. Carregando a bebida junto.

Orlando eu sei que tu é todo certinho e tal. Mas na boa. Tá fazendo 40 graus. Não tem necessidade de você ficar com tanta roupa.

Digo isso e já vou abrindo o botão camisa.

Ele meio envergonhando. Não sei não. Isso é meio inapropriado. Existe uma hierarquia e não é bom que passemos dos limites.

Eu disse que Hierarquia era no trabalho. Que agora estamos relaxando. Então trate de ficar a vontade e beba mais uma cerveja. Você tá precisando.

Coloquei no único canal que pegava que era o porno swing. E começamos a assistir

Desta vez eu respeitei e não bati punheta. Mas meu pau ia ficando duro

E aos poucos saia de dentro da toalha.

Orlando reclamava e mandava eu cobrir. Eu disse que estava muito calor. E que se ele quisesse. Ele que cobrisse pra mim.

O cara ficou paralisado não sabia se cobria minha piroca com o risco de tocar nela. Ou se ficava só ali secando.

O calor foi apertando e Orlando resolveu aceitar minha sugestão ficando apenas com uma cueca branca tipo box.

A gente começou a falar sobre a performance das garotas no filme. Pra ele relaxar.

Pensa num cara travado pra sexo. Nem sei como ele conseguiu ser pai.

Ele falou que tanto ele quanto a esposa eram muito religiosos. E que não faziam aquelas poses extravagantes dos filmes. Que era basicamente papai e mamãe e no escuro.

Neste momento eu senti uma certa pena do meu chefe.

Com a bebida ele foi ficando mais a vontade e soltando a língua.

Olhando para o meu pau ele diz.

Não é justo. Você é jovem, descolado, bonito e ter uma piroca gigante. Tudo o que eu nunca tive.

A vida é mãe com você e madrasta comigo.

Olha só a droga de ferramenta que a natureza me deu.

Eu percebi que ele realmente estava mau.

Segurei sua mão e disse. Calma cara. O importante não é o tamanho da vara e sim a magica que ela faz.

Reclamando. Eu queria tanto ter um pau grande. Desses que fazem os olhos das garotas brilharem.

Olha Orlando se é assim tão importante pra você. E como ninguém tá vendo.

Punheta Gay

Eu deixo você sentir como é punhetar um pau grande. Você quer?

Tá me estranhando rapaz eu não estou assim tão bêbado pra pegar no seu pau não.

Não é isso cara. É só pra acabar com o seu complexo. você nem vai perceber que tá pegando no meu pau.

Vai parecer que está pegando no seu..

Curioso ele pergunta como faríamos isso?

Tira essa cueca e deita de lado. Vou colocar meu pau atrás de você entre suas coxas.

Mesmo assim ele vai ficar maior que o seu.

Dai você pega nele como se fosse o seu e pronto

Vai gostar de segurar uma rola 2 vezes mais grossa e 7 centímetros maior.

Ele olhava meio desconfiado. Você não tá querendo me comer né?

Não cara fica sossegado vou colocar entre suas coxas. Se eu fizer algo de errado você pode quebrar o meu pau.

Eu é que deveria desconfiar.

Ele deitou de ladinho abriu as pernas. Eu encaixei meu pau logo abaixo das suas bolas.

O cara já tremia de nervoso.

Fechou as pernas. E as coxas dele abraçando meu pau me deu mais tezão ainda.

Olha cara relaxa. Esquece que eu estou aqui. Apenas curta o momento.

Pode castigar a vontade que meu pau é resistente.

Ele perguntou se eu não iria zoar ele.

Eu disse que não. E que se zoasse ele iria me demitir.

Ele ficou ali deitadinho no canto da cama. Acariciando meu pau imaginando que fosse o dele.

Ele sentia meu pau quente, e crescendo.

Ele puxava a pele da cabeça lentamente pra traz.

Depois acariciava minha glande.

Aos poucos foi se soltando.

E desvendando os segredos da minha piroca.

Rapidamente já dedilhava minhas bolas. E punhetava com as duas mãos.

Eu envolvi minha mão na cintura dele. E perguntei se estava gostoso.

Ele disse que muito. Mas que eu não deveria pensar mau dele.

Que ele era macho, hetero e meu chefe. Que era ele que mandava na porra toda.

Quanto mais ele se demonstrava machão. Mas eu via a doce menina aflorar do seu interior.

O cara era uma verdadeira putinha e sabia tocar uma punheta como ninguém.

Eu percebia seu cuzinho piscando e sua pele ficando arrepiada.

Enquanto ele me punhetava eu comecei acariciar sua barriguinha e mamilos.

Comecei a beijar suas costas e morder seu pescoço.

Ele pedia pra parar. Mas ele queria que eu continuasse.

Eu via ele se contorcendo a cada caricia.

Nisso o telefone de Orlando toca.

Sem sair da posição ele atende.

É a sua esposa perguntado se está tudo bem.

Imagina a situação meu chefe falando com a esposa. Deitado de ladinho na beira da cama. Com meu pau entre suas coxas. Roçando nas suas bolas e cuzinho.

E o safado ainda me punhetando.

 

Ele começou a gemer e ela também. Nossa estava uma delicia.

Ele soltou meu pau e pegou no pau dele. Começou a se masturbar.

Estava louco de tezão. Tinha que gozar ou seu pau explodiria.

Mas eu também estava com vontade e não iria parar no meio da festa.

Comecei a esfregar minha piroca no cuzinho de Orlando. Ele quase deu um pulo de susto.

Eu fiz sinal de silencio para que a esposa não percebesse.

Poderia ser uma tragédia. Imagina se ela descobre que está falando besteiras no viva voz.

Enquanto o marido punheta seu funcionário.

Orlando sabia que estava em nossas mãos e que resistir seria pior.

A esposa dele falando safadezas que deixaria uma puta experiente ruborizada.

Orlando batendo punheta. Deitado de ladinho

Com a bunda arrebitada na minha direção.

E eu esfregando meu pau. Enquanto beijava suas costas e mordia seu ombro.

Orlando começa a rebolar. Eu sinto o cuzinho dele pulsando.

Aquele era o sinal que estava esperando.

Encaixei minha cabeçona bem na entradinha

Segurei ele firme pela cintura.

E lentamente comecei a empurrar.

O cuzinho dele era virgem. Comichava gostoso.

Eu fui gentil. Colocava a cabecinha.

Deixava um tempo e tirava.

Ele não poderia gritar. Pois sua esposa iria descobrir tudo.

Então quando eu metia ele mordia os lábios e arranhava o lençol do colchão.

Quando eu percebia que ele não aguentava mais. Ai eu tirava.

Fazia um carinho, provocava até a dor passar.

E metia novamente.

Meu pau ganhava espaço no rabinho dele rapidamente.

Não demorou muito Orlando gozou. E gemeu alto.

É muita putaria até para mim.

Eu sussurrei no ouvido dele. Pede pra ela fazer sexo pelo telefone.

Falar putarias e como ela estaria se tocando e pensando nele.

Orlando estava tão doido que aceitou. E colocou no viva voz pra eu escutar também.

No inicio ela falou que ele estava louco. Que fazia tempo que não faziam essa loucuras.

Mas ela topou.

Eles começaram a falar putarias. Eu tentava manter o silencio para ela não perceber.

Ela dizia em detalhes como queria chupar o pau de Orlando. Enquanto ele punhetava vigorosamente meu pau.

E eu chupava seu pescoço. Arranhava suas costas. Apertava seus mamilos

Deixando ele louco como uma putinha.
Eu percebi que aquele era o momento ideal.

Quando ele estava gemendo em tom grave como um macho.

Eu meti minha piroca com força até as bolas.

E o tom mudou de grave pra agudo. Um grito de dor e prazer.

A esposa dele riu. E perguntou se estava bem. Que ele nunca tinha gozado daquele jeito.

Foi diferente mas ela gostou.

Enquanto eles trocavam juras de amor. Eu castigava o cuzinho do Orlando era a minha vez de gozar também.

Ele sentiu meu pau pulsando. tentou tirar fora.

Mas eu segurei com vontade. E quando gozei o cuzinho dele trancou.

Cara foi uma delicia. Pois aumentou o meu prazer.

Gozei forte durante vários minutos. E quando tirei meu pau tinha um buraco enorme no rabinho dele.

Saindo litros de porra.

A gente dormiu e no dia seguinte seguimos viagem como se nada tivesse acontecido.

E ai já aconteceu algo parecido com você? Deixa ai nos comentários?

Você gostaria de ser qual personagem?

É possível um hetero dar a bunda ou só gay faz isso?

Mande mensagens pra mim. Que eu te adiciono no meu face e você terá acesso a contos exclusivo

Contos de Sexo Relacionados

  • Porno Gay 10 meses atrás

    Troca troca com meu primo

    Bem isso aconteceu já uns anos.  Não vou citar nossos verdadeiros nomes, serão fictícios. Vou me chamar de Rodrigo e ele de Vinícius. Eu e meu primo morávamos perto um do outro questão de 3 minutos de...

    LER CONTO
  • Porno Gay 1 ano atrás

    Fui tomar banho no rio e levei rola

    Morávamos numa pequena cidade onde passa um rio em que tomávamos banho. Éramos jovens, com 18 anos. Eu sempre fui afeminado, coxas grossas e isso despertava o desejo dos garotos me comer, pois já havia dado para...

    LER CONTO
  • Porno Gay 7 meses atrás

    Com 60 anos passei a gostar de homens

    Ola... tenho 66 anos  Aos 60 anos comecei a dar. Um amigo me iniciou e não mais parei Aqui onde moro tem uma estrada abandonadas que conheci a quatro anos. Se vc entrar lá de carro anda uns 1000 metros e tem que...

    LER CONTO
  • Porno Gay 3 meses atrás

    Arrombado pelo homem do box

    Olá.... sou branquinho com estatura normal. Minha mãe estava saindo para trabalhar e disse: fica esperto que hoje vem o homem para colocar o box no banheiro. Fiquei deitado no sofá assistindo tv sem camisa e com um...

    LER CONTO
  • Porno Gay 7 meses atrás

    Cobiçando o vizinho

    Olá, tenho 24 anos e este conto se passou recentemente. Bom, moro em um bairro bem simples, casas populares, já vou logo dizendo, neste conto não terá aquele homem sarado e muito menos um boy de 25cm, como sempre...

    LER CONTO
  • Porno Gay 2 meses atrás

    A primeira vez que cai na vara

    Desde jovem sempre tive curiosidade e pegar, sentir a vara de outro homem de vc o tempo foi passando me casei mas nunca perdi aquela cantada de brincar com uma pica, sempre me masturbei pensando em homens, brincava com...

    LER CONTO
  • Porno Gay 1 ano atrás

    Virei femea do amigo do quartel

    Meu nome é Vinícius (*), até que fui servir ao serviço militar, já com 18 anos, eu namorava muito, pois era bonito, com um belo corpo, moreno claro, 1,75 alt. Pesava cerca de 80 quilos, tinha pernas longas e...

    LER CONTO
  • Porno Gay 8 meses atrás

    Servindo meu dono

    Sou homem, mas sempre tive a fantasia de ser a puta submissa de um macho. Há um pouco mais de um ano conheci no sexlog um homem com o perfil que procurava há anos. Um macho dominador, safado no sexo, experiente e com...

    LER CONTO

3 comentários para “Fiz meu chefe virar putinha: Punheta Gay

Deixe seu comentário