Casa dos Contos Eróticos » Putaria » Carona recheada de sexo e prazer

Carona recheada de sexo e prazer

0 votes

Tenho 28 anos, 1,68 m de altura e 59kg. Morena, olhos amendoados, cabelos no meio das costas clareados, rosto ovalado e lábios carnudos. Pernas, barriga e bumbum modelados à custa de muita malhação. Ano passado coloquei 220 ml de silicone nos peitos o que me deixou bem exuberante. Sou o que se chama de gostosa.

Sou casada há 4 anos,  com um colega de classe da faculdade. Sempre tivemos um relacionamento aberto. Gostamos das mesmas coisas e procuramos o prazer sem limites. Vamos à casas de swing, nos divertimos com os fetiches de cada um. Temos um arsenal de acessórios para nos propiciar sensações extremas.

Temos uns amigos e sempre que podemos vamos visitá-los. Naquela semana nos cadastramos num destes sites de carona, já com segundas intenções. Combinamos que deveria ser uma viagem bem diferente e que eu também seria carona. . Escolhemos três rapazes de acordo com o perfil constante no aplicativo. Pegamos o primeiro garoto na estação do metrô. Ele era corpulento, aproveitei e pulei para trás. – Assim fica mais confortável. Disse eu.

Carona, sexo e muito prazer

Era noite de julho, fazia muito frio e garoava. O carro estava com problemas no ar condicionado e o vidro embaçava atrapalhando a visão. O jeito era deixar o vidro da janela um pouco aberto para ajudar e com isso o frio só aumentava. Pegamos os outros dois garotos no local combinado e caminhamos em direção ao nosso destino.

O garoto que sentou ao meu lado direito era sarado, moreno, com cabelo raspado e um brinco na orelha esquerda. Vestia calça jeans, tênis, camiseta branca e uma jaqueta de brim. O rapaz à minha esquerda, tinha cabelo comprido liso, calça jeans rasgada, botinha, camiseta polo e uma jaqueta de couro. Ambos foram gentis, cumprimentaram ao entrar no carro e seguimos viagem.

O trânsito estava pesado, paramos no primeiro posto de gasolina para abastecer. Meu marido cobrou o valor combinado pela carona e enquanto abastecia eu pedi licença para ir ao banheiro. Eu estava usando um vestido de couro curto, camisa branca, meia calça preta, jaqueta e botas de couro. Tirei a meia calça, a calcinha, o sutiã e guardei tudo na bolsa. Soltei o cabelo, abri o primeiro botão da camisa e voltei para o carro. A primeira rajada de vento e garoa me deixou toda arrepiada. Os bicos do meus peitos pareciam querer furar minha camisa. Deixei minha bolsa no porta-malas e peguei uma manta.

Sentamos todos e partimos, ofereci partilhar a manta entre o três no banco trazeiro o que foi prontamente aceito. Pude perceber a mão fria dos garotos roçando minhas coxas ao pegar a ponta da coberta. Puxei a manta até o pescoço e começamos a viagem. Conversávamos, cada um contava um pouco sobre sua vida e os motivos que nos levavam até aquela cidade.

Fomos parados numa blitz da Polícia Rodoviária. O policial pediu os documentos de todo mundo, perguntou para onde íamos e o porquê. Minha bolsa estava no porta-malas. O garoto da direita começava a descer do carro para eu passar. – Não precisa, obrigado. Passei por cima dele, não sem antes deixar raspar minha bunda na sua mão. Mostrei o RG ao policial. Entrei pelo outro lado do carro, passei por cima do outro carona, minha perna enroscou e eu cai no colo do cara, senti a mão gelada dele na minha buceta, pedi desculpas e sentei no meio deles. Eu tinha feito depilação radical naquela semana. Meu marido me deu uma olhada pelo retrovisor.

Meu marido e o carona da frente começaram a conversar. Nós três, aqui no banco traseiro, comentávamos sobre o frio. – Minha mão está gelada, reclamei. Peguei na mão deles para provar. Eles começaram a esfregar minhas mãos para aquecê-la. – A de vocês também está um gelo. Coloquei as mãos deles sob minhas coxas para esquentar. Puxamos a manta mais uma vez. Coloquei minhas mãos entre as coxas deles. Eles apertavam as pernas para ajudar no aquecimento já que não podíamos fechar completamente os vidros das janelas.

O garoto da direita virou a palma da mão para cima e começou a acariciar minha coxa. Eu fechei os olhos e comecei a arfar. O outro, percebendo a situação, enfiou a mão por debaixo da manta e pegou no meu peito. O clima começou a esquentar. Puxei minha saia até a barriga. Sentei um pouco mais para a frente. Peguei a mão esquerda do garoto à minha direita, coloquei entre as minhas coxas e puxei até encostar na minha buceta. Peguei a mão do garoto à minha esquerda. Enfiei o dedo médio dele na minha boca, lambuzando-o. Coloquei a mão dele em baixo da minha bunda e levantei um pouco a perna me oferecendo. Eles entenderam rápido e me penetraram ao mesmo tempo. Segurei o gemido que teimava em sair.

O da direita começou a movimentar mais rápido. Segurei sua mão indicando a velocidade que mais me agradava. O da esquerda estava me incomodando um pouco. Tirei a mão dele debaixo de mim, peguei um tubo de KY que sempre levo na bolsa, espremi uma generosa dose de lubrificante no dedo do meio dele, espalhei por todo o dedo e o devolvi ao meu cuzinho ansioso por uma dedada. Ambos entenderam a situação e foram se excitando e me bolinando

Arrumei a manta e abri a calça dos dois. Puxei para fora o pênis de cada um, duros como pedra. Comecei a masturbá-los lentamente, eu ditava a velocidade, afinal eu estava no controle. Eles encostavam na minha orelha, mordiscavam, um pedia para eu chupar seu pau e o outro falava que queria fuder meu cu, eu não aguentava mais, estava toda melada, escorria pelas minhas pernas. O pau deles pulsavam na minha mão. Insistiam para eu chupar a pica deles, mas não dava ia ser muita bandeira. O pessoal da frente não tinha percebido nada até então, exceto meu marido que ficava rindo pelo retrovisor.

Ficamos assim por mais de meia hora, a vontade era de ser penetrada de foder de verdade. O garoto da esquerda já estava com dois dedos enterrados no meu cu e o da direita com três dedos na minha buceta, eu me movimentava para trás e para frente freneticamente. A coisa foi indo, indo e não resistimos. Explodimos numa gozada intensa, todos gozamos ao mesmo tempo já não importava quem escutava. Meu marido e o carona da frente viraram ao mesmo tempo com o triplo gemido. Limpei minha mão e o pau de cada um na manta de tantas utilidades.

Marcamos de dar carona na volta, no domingo à noite.

Contos de Sexo Relacionados

  • Putaria 2 anos atrás

    Novinho dotado e minha esposa

    Olá amigos leitores, aqui estou para contar mais uma experiência nossa, eu e minha esposa nós chamamos de forma carinhosa de mô(*) e xuxu(*), então usarei esses apelidos para nós identificar. Eu e a xuxu já...

    LER CONTO
  • Sexo 2 anos atrás

    Uma transa espetacular

    Combinamos de nos encontrar à noite em meu apartamento. No horário marcado Marina(*) chegou. Fomos para meu quarto e ao iniciarmos as carícias comecei a tirar a roupa que ela estava, se revelando um corpete vermelho...

    LER CONTO
  • Suruba 2 anos atrás

    Nossa primeira troca de casal

    Boa tarde, me chamo Daniel(*) e minha esposa Michelle(*), nossa história é sobre como foi a primeira troca de casal, então vamos lá. Eu e a Michelle somos casados a 22 anos, eu adoro sexo e a Michelle não fica...

    LER CONTO
  • Xvideos 7 meses atrás

    Minha primeira dp foi maravilhoso

    Oi! tenho 23 anos, solteira, me considero uma mulher atraente. Tenho um corpo bem definido. Estou a 6 meses namorando. Já transamos várias vezes e sempre fazemos de tudo. Ele adora meu rabinho, e eu também adoro...

    LER CONTO
  • Putaria 4 meses atrás

    Minha primeira vez com uma puta

    Quando completei a maior idade, contratamos uma garota de programa pra minha resenha, era uma festinha particular e olhamos no classificado e achamos uma garota que dizia fazer de tudo e com até 3 de uma só...

    LER CONTO
  • Orgia 1 ano atrás

    Gozando os prazeres em uma suruba

    Olá, Me chamo Vinícius(*), tenho 30 anos 1,81 e 85Kg, corpo definido pois malho, e minha esposa Aila(*) tem 27 anos 1,67 e 59kg uma bunda bem durinha por conta da academia e peitos naturais de tamanho médio. Sempre...

    LER CONTO

Deixe seu comentário